Os traders precisarão se preparar para inúmeros dados de nível um esta semana. Com quatro grandes bancos centrais e um da América Latina anunciando decisões de política monetária, o foco estará na extensão de novos aumentos das taxas. O Fed deve subir 50 pontos base, mas o Banco da Inglaterra também deve subir. É também uma semana de vendas no varejo e produção industrial para vários países. 

Fique atento a: 

  • América do Norte  – A reunião do Fed é, sem dúvida, o destaque, com vendas no varejo e produção industrial nos EUA também.
  • Europa e Ásia – Política monetária para o BoJ, o SNB e o Banco da Inglaterra
  • LatAm – O Banco Central do Brasil está em foco


Dados norte-americanos: 

Datos norte-americanos

A reunião do Fed será o principal evento de risco da semana. Os indicadores de inflação têm caído nas últimas semanas e isso resultou em uma ligeira flexibilização de quão agressivo o FOMC precisa ser em sua redução de taxas. Um aumento de 50 pontos base é dado esta semana (com a expectativa de um aumento de 75 pontos base tendo reduzido significativamente), enquanto os mercados esperam mais 50 pontos base em julho. 

A questão para esta reunião é quão hawkish serão os movimentos além disso? Poderia haver uma pausa para reflexão em setembro? Qualquer coisa que indique uma postura um pouco menos agressiva pesará nos rendimentos de curto prazo e o USD irá recuar. Também estamos atentos a quaisquer ajustes nas projeções econômicas e nos gráficos de pontos. Abaixo mostramos as projeções de março. Qualquer redução no posicionamento líquido nas projeções de taxas de juros também movimentará o mercado. 

Table

Description automatically generated

Há alguns dados a serem observados também. Espera-se que as vendas no varejo dos EUA mostrem um crescimento sólido, embora nada espetacular, em maio, enquanto a produção industrial dos EUA deve ser ligeiramente reduzida. Após a deterioração nas pesquisas regionais do Fed desde o início da guerra na Ucrânia, as leituras do Fed de Nova York e Filadélfia devem se tornar mais positivas em junho. Essa situação apontaria para um final decente para o segundo trimestre.

Esta semana: Bancos centrais prontos para mais altas

Reação do mercado: 

  • Os movimentos do USD no Fed virão como orientação para mais altas este ano e avaliação dos gráficos de pontos.


Europa e Ásia: 

Europa e Asia

O consenso não prevê revisão da inflação global de maio de 8,1% e central de 3,8% 

Uma série de bancos centrais deve anunciar esta semana. No entanto, o Banco do Japão e o Banco Nacional Suíço ainda estão firmemente definidos no modo dovish, então podemos esperar mudanças sutis. Para o BoJ, o forte enfraquecimento do JPY significará que os traders estarão atentos a quaisquer indícios de intervenção. 

A ação real pode vir do Banco da Inglaterra. O BoE está enfrentando uma perspectiva difícil de forças estagflacionárias cada vez mais prováveis. Um mercado de trabalho extremamente ajustado está forçando os salários para cima, mas as tendências de crescimento estão cada vez piores. O Comitê de Política Monetária deve subir 25bps, mas será unânime e poderia ser pausado durante o verão.

A produção industrial na China e na zona do euro pode ter uma ligeira recuperação, no entanto, as leituras negativas persistem no segundo trimestre.

Esta semana: Bancos centrais prontos para mais altas

Reação do mercado: 

  • O sentimento amplo do mercado encontrará a direção com os dados chineses na quarta-feira.
  • Os movimentos da GBP estarão em foco ao longo da semana, com o desemprego na terça-feira, o BoE na quinta-feira e as vendas no varejo na sexta-feira. Não há muito espaço para surpresas agressivas do BoE que possam impedir qualquer potencial recuperação da GBP.


América latina: 

A decisão do Banco Central do Brasil sobre as taxas pode ser um momento apenas para aliviar o ajuste. A inflação anual de maio caiu um pouco mais do que o esperado na semana passada (de 12,13% para 11,73%) e isso dá ao banco central espaço para um ajuste um pouco menos agressivo nesta semana (50bps em oposição aos 100bps previstos nas reuniões). 

Os dados de Produção Industrial e Vendas no Varejo da Colômbia devem ser divulgados na quarta-feira. A fabricação responde por 11% da economia, com serviços em 60%, então o foco será mais para o lado varejista da economia. 

Reação do mercado

  • O BRL será reativo à decisão das taxas do banco central. Um aumento de juros menos agressivo seria encorajador para a economia. 
  • Os traders de COP estarão muito atentos aos dados surpresa das vendas de varejo colombianas

Esta semana: Bancos centrais prontos para mais altas




Este material é apenas para fins de informação geral e não se destina (e não deve ser considerado) como aconselhamento financeiro, de investimento ou outro em que se deve confiar. A INFINOX não está autorizada a prestar consultoria de investimento. Nenhuma opinião dada no material constitui uma recomendação da INFINOX ou do autor, de que qualquer investimento, título, transação ou estratégia de investimento em particular sejam adequados para qualquer pessoa específica.